Livros

Egg Parasitoids in Agroecosystems with Emphasis on Trichogramma

Fernando L. Cônsoli, José R.P. Parra,Roberto A. Zucchi.
2010

Spinger Dordrecht Heidelberg London New York: Springer, 2010. 479p.ISBN: 978-1-4020-9109-4


Bioecologia e nutrição de insetos - Base para o manejo integrado de pragas

Antônio Ricardo Panizzi e José Roberto Postali Parra (org.)
2008

Nos últimos 40 anos, houve significativo avanço na formação de recursos humanos no Brasil com o grande incentivo aos cursos de pós-graduação. A massa crítica formada gerou um volume considerável de informação em Entomologia nas suas especialidades. Dentre elas, a bioecologia e a nutrição de insetos destacam-se com pesquisas em diferentes pontos do País. Este livro, resultado do esforço de especialistas qualificados, aglutina de forma pioneira o conhecimento produzido neste período de quase meio século. Os aspectos básicos, exaustivamente discutidos, abrangem temas da bioecologia e da nutrição de insetos, dietas artificiais e fisiologia, interações inseto-planta e a interface da ecologia química com o alimento. Além disso, são contemplados os grupos alimentares mais diversos, desde fitófagos, predadores e parasitóides até insetos hematófagos e detritívoros. São abordados também assuntos pouco divulgados no Brasil, como digestão, canibalismo, simbiose e insetos formadores de galhas. Por fim, a parte aplicada é contemplada com capítulos sobre a resistência de plantas e o uso da bioecologia e nutrição dos insetos como base para sistemas de manejo integrado de pragas (MIP). Londrina, Embrapa. 1164p.

ISBN: 85-7383-452-9


Manual de Acarologia - Acarologia Básica e Ácaros de Plantas Cultivadas no Brasil

Gilberto de Moraes & Carlos Holger Wenzel Flechtmann
2008
Ácaros são organismos usualmente pequenos, que habitam os mais diferentes ambientes. Correspondem ao segundo maior grupo de artrópodes, depois dos insetos. Em geral, apresentam maior diversidade e abundância no solo, onde são encontrados em maior quantidade na fração orgânica superficial e nos primeiros centímetros da fração predominantemente inorgânica subjacente. São também comuns no meio aquático, sobre plantas e animais, assim como nos depósitos de alimentos e em abrigos de animais, incluindo aí nossas residências.  A origem dos ácaros tem sido freqüentemente discutida na literatura. Há dúvidas se o grupo de organismos hoje conhecido como ácaros é resultante de um único ancestral comum exclusivo (grupo monofilético) ou de dois ancestrais com relações de parentesco distintas dentro de Arachnida (difilético). Esse assunto é brevemente discutido por Evans (1992), com base em observações de diferentes autores. É possível que os ácaros mais primitivos fossem predadores e vivessem no solo. Através de mutações sucessivas, teria havido o aparecimento de novas formas, seguindo-se a extinção natural de várias dessas formas iniciais e a fixação de formas com novas adaptações. Com isso, os ácaros adotaram comportamentos alimentares dos mais variados, passando à fungivoria ou fitofagia, por um lado, ou ao comportamento parasitário, por outro, alimentando-se de outros animais.  Os ácaros compreendem um grande grupo de organismos. Krantz (1978) estimou em mais de 30.000 as espécies descritas até aquela época. Acredita-se que hoje este número deva estar em torno de 50.000 espécies. Considerando-se que os ácaros ainda são pouco conhecidos nas áreas tropicais, onde se espera ocorrer a maior diversidade destes organismos, é de se esperar que o número real de espécies seja muito maior. Adis (2002) estimou que o número de espécies de ácaros existentes seja em torno de 500.000.  Apesar de serem muitas as espécies de ácaros que ocorrem sobre plantas, são relativamente poucas aquelas consideradas sérias pragas agrícolas, como será observado nas secções subseqüentes desta publicação. No entanto, várias destas espécies apresentam importância fundamental, por atacar diversas espécies de plantas cultivadas, assim como por ocorrer em diversas regiões do globo terrestre. No Brasil, entre 20 e 30 espécies de ácaros causam sérios danos a plantas cultivadas, justificando-se o interesse e a necessidade de se conhecer estes organismos, para se poder reduzir os danos por eles causados. O objetivo desta publicação é servir como base para aqueles interessados em iniciar seus conhecimentos sobre os ácaros de importância agrícola. Na organização e na preparação do conteúdo deste livro, levou-se especialmente em conta o mais provável interesse de estudantes de cursos da área agrícola nas instituições brasileiras de ensino superior.  Piracicaba, Holos Editora. 308p.
 

ISBN: 85-866-9962-7


Controle Microbiano de Pragas na América Latina - Avanços e Desafios

Sérgio Batista Alve & Rogério Biaggioni Lopes
2008

O Controle Microbiano na América Latina/Produção e Uso de Vírus para o Controle de Pragas na América Latina/Fungos Entomopatogenicos usados no Controle de Pragas na América Latina/Utilização de Bacillus thuringiensis no Controle de Pragas Agrícolas na América Latina/Bioprodutos à Base de Bacillus Entomopatogênicos em Programas de Controle de Vetores na América Latina/Utilização de Nematóides para o Controle de Pragas Agrícolas e Urbanas/Uso de Protozoários Entomopatogênicos em Programas de Controle Microbiano nos Países Latino-Americanos/Produção Massal de Fungos Entomopatogênicos na América Latina/Produção de Bactérias Entomopatogênicas na América Latina/Formulação de Entomopatógenos na América Latina/Interação de Microrganismos com outros Agentes de Controle de Pragas e Doenças/Controle Biológico de Doenças e Plantas Na América Latina/Controle Biológico de Plantas Daninhas com Fitopatógenos na América Latina/Engenharia Genética Aplicada ao Controle Microbiano na América Latina/Resistência de Insetos e Ácaros a Entomopatógenos/Controle Microbiano de Pragas e Plantas Trangênicas. Piracicaba, FEALQ. 414p.

ISBN: 85-7133-056-6


Fruit Flies of Economic Importance: From Basic to Applied Knowledge

Regina L. Sugayama, Roberto A. Zucchi, Sergio M. Ovruski & John Sivinski
2006

Salvador, SBPC. 351p.


Técnicas de Criação de Insetos para Programa Biológico

José Roberto Postali Parra
2005

6a Edição. Piracicaba, FEALQ. 134p.


Guia Ilustrado de Pragas e Insetos Benéficos do Milho e Sorgo

Alexandre de Sene Pinto, José Roberto Postali Parra e Heraldo Negri de Oliveira
2004

Ribeirão Preto, A.S.Pinto. 108p.ISBN: 85-903372-6-x


Guia Ilustrado de Pragas e Insetos Benéficos dos Citros

José Roberto Postali Parra, Heraldo Negri de Oliveira e Alexandre de Sene Pinto
2003

Piracicaba, A.S.Pinto. 140p.ISBN: 85-903372-1-9


Revised keys to the World Genera of Eriophyoidea (Acari: Prostigmata)

James W. Amrine, Jr., Terry A.H. Stasny, Carlos H.W. Flechtmann
2003

Illustrated keys to the genera of the Eriophyoidea (Phytoptidae, Eriophyidae and Diptilomiopidae) are provided. To the original work (Keys to the World Genera of Eriophyoidea, Amrine, 1996), we have added 61 new genera, reflecting the ongoing active research and considerable diversity of this group. In addition, seven derived generic names presented herein are Changmaia, Davisella, Kaella, Meyerella, Oziella, Phetehaburus and Steopa. New synonomies include the following: Abacoptes, Bachinius, Bamboocarus, Chonburinus, Cisaberoptus, Criophyes, Kasetsarus, Kropczynella, Lovonotus, Macrotuberculatus, Milleniophyes, Setoptus, Siamphyes, Spatha, Thiracarus, Ursynovia, and Xynocatarhinus. In addition, two former names have been recognized and set in synonymy to prevent future confusion: Cecydoptes (or Cecidoptes) and Flexipalpus. A table comparing former and current terminology is presented. A synopsis and alphabetical listing of genera are provided including references and an index. West Bloomfield, Michigan, Ondira Publishing House. 244p.

ISBN: 09-303-3720-4


Controle Biológico no Brasil - Parasitóides e Predadores

José Roberto P. Parra, Paulo Sérgio M. Botelho, Beatriz S. Corrêa-Ferreira, José Maurício S. Bento
2002
O crescente interesse pelo controle biológico no Brasil, nos últimos 30 anos, associado ao treinamento de pesquisadores na área, gerou a produção de muitos trabalhos, publicados no Brasil e no Exterior. Esses trabalhos se avolumaram, mas muitos ficaram dispersos, sem que houvesse uma visão conjunta do avanço na área. O objetivo de Controle Biológico no Brasil: Parasitóides e predadores é aglutinar todas essas informações para que se possa ter uma visão conjunta e condensada dos resultados alcançados ao longo desses anos. Trata-se do esforço de 51 pesquisadores de várias instituições e universidades brasileiras, resumindo, em 33 capítulos, muitas das informações geradas nos últimos anos sobre parasitóides e predadores. O livro consta de cinco partes, incluindo conceitos básicos sobre controle biológico; aspectos gerais sobre controle biológico clássico e aplicado; os casos de sucesso ocorridos no Brasil, com seu impacto econômico e ambiental; possíveis associações do controle biológico com outras alternativas de controle e avaliação sobre o futuro da utilização de inimigos naturais para o controle de pragas. Considerando-se a diversidade de assuntos abordados, espera-se que este livro seja de grande utilidade para pesquisadores, professores, estudantes, técnicos e todos aqueles interessados em controle biológico. Piracicaba, Manole. 626p.

ISBN: 85-2041-554-7


Páginas